Mário Mesquita eleito vice-presidente da ERC

Professor de jornalismo do Departamento de Ciências da Comunicação da Lusófona há mais de 20 anos, Mário Mesquita acaba de ser eleito vice-presidente da Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC).

O jornalista e fundador do PS nascido nos Açores, radicou-se em Lisboa aos 17 anos, onde ingressou no jornal República. Em 1976, com 25 anos, tornou-se diretor-adjunto do Diário de Notícias, passando a diretor do jornal em 1978, cargo que exerceu até 1986.

Dirigiu também o Diário de Lisboa entre 1989 e 1990. No início da sua carreira, foi deputado à Assembleia Constituinte e o principal responsável pelos artigos sobre Comunicação Social da Constituição Portuguesa.

Com dezenas de livros e artigos publicados nas áreas da Comunicação e do Jornalismo, entre os quais a emblemática obra O Quarto Equívoco – O Poder dos Media na Sociedade Contemporânea, é professor de jornalismo na Lusófona desde a fundação da licenciatura em Ciências da Comunicação e da Cultura, que está na base da ECATI, a maior Escola da Universidade. Nesta licenciatura, coordenou a área de jornalismo e para a ECATI, desenhou também o plano de estudos original da licenciatura em Comunicação e Jornalismo.

A tomada de posse na ERC deve acontecer até ao final do ano.

Arquivo, testemunho e profanação – Conferência por Pedro Lapa

Quarta-feira, 13 de dezembro | 18h00 | Auditório do Museu.
Entrada gratuita, sujeita ao número de lugares disponíveis.

Desde 2005 que Carla Filipe começou a construir um arquivo sobre os caminhos de ferro que serviu de base ao seu trabalho.

Com a exposição da cauda à cabeça, 2014, os seus arquivos e outros, que convoca ou pede emprestados, são reunidos por um meio sobre o qual a artista também trabalha a própria exposição.

Estes arquivos não operam uma determinação da sua discursividade, muito pelo contrário. Ela imiscui-se nos seus interstícios para suscitar interrogações sobre as suas ausências. Os seus arquivos são deste modo submetidos a contínuas interrogações, pelo que não espanta que muitos documentos retornem no curso dos diversos trabalhos e que estes se construam como redes que se sobrepõem com sucessivas reatualizações e considerações sobre si mesmos.

É sobre a memória recente de uma exposição sobre muitas memórias que esta conferência se debruça.

Pedro Lapa é professor auxiliar da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Foi diretor artístico do Museu Coleção Berardo entre 2011 e 2017 e, anteriormente, do Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado.

É autor de muitas publicações no domínio da arte moderna e contemporânea, de entre as mais recentes destacam-se Joaquim Rodrigo – a contínua reinvenção da pintura, 2016; História e Interregnum. Três obras de Stan Douglas, 2015.

Apresentada no âmbito do VII Ciclo de Conferências Internacionais sobre Arte, História e Pensamento, organizado pela Escola de Comunicação, Artes e Tecnologias de Informação da Univ. Lusófona, em conjunto com o Museu Coleção Berardo.

Comunicação e Jornalismo faz dez anos

Na próxima quinta-feira, 16 de novembro, a partir das 10.00, no Auditório Agostinho da Silva, assinalamos os primeiros dez anos da Licenciatura em Comunicação e Jornalismo do Departamento de Ciências da Comunicação.

Vamos ter connosco os anteriores diretores do Curso de Comunicação e Jornalismo, os jornalistas António José Teixeira e Fernando Correia. E retomam-se as conferências “Comunicação e Jornalismo no séc. XXI” com as jornalistas Ana Patrícia Carvalho (SIC), Catarina Marques Rodrigues (RTP) e Sibila Lind (Público), que vão discutir a questão “Jornalismo: Profissão ou Paixão?”.

À tarde, quatro diplomados em Comunicação e Jornalismo regressam à Lusófona para contarem o que aconteceu depois de terem terminado o Curso.

A entrada é livre.

Professor Jorge Correia Jesuino recebe Honoris Causa na Grécia

No passado dia 01 de Novembro, o Professor do Departamento de Ciências da Comunicação da ECATI e diretor do 2º ciclo em Comunicação nas Organizações, recebeu o título de Doutor Honoris Causa atribuído pela Universidade Panteion de Ciências Sociais e Politicas, em Atenas.

Não é a primeira vez que o valor Cientifico do trabalho do Professor Jorge Correia Jesuino é reconhecido. Em 2008, a Universidade Federal de Paraíba no Brasil concedeu-lhe igual título em reconhecimento do trabalho de intercâmbio desenvolvido.

O título de Doutor Honoris Causa é atribuído a quem se destaque através do saber e atuação nas áreas das artes e ciências.

Parabéns ao nosso professor!