V Ciclo de Conefrências ECATI / MCB – 2015

Conferência: Quarta-feira | 09 de Dezembro | 18 horas | Auditório Museu Colecção Berardo

História e Interregnum

Resumo

Nos trabalhos apresentados em Interregnum as acções decorrem num mesmo período histórico em que diferentes expectativas universalistas e multi-culturais de transformação do mundo emergiram e sobre as quais novas configurações de poderes se vieram sobrepor.

A reencenação, que constitui cada uma das obras, implica uma estreita relação entre história e ficção.

A partir da análise destes aspectos e dos próprios dispositivos artísticos de Stan Douglas procurar-se-à pensar a possibilidade de uma política dos meios.

Nota Biográfica

Pedro Lapa é director artístico do Museu Coleção Berardo e professor convidado da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Foi durante 11 anos diretor do Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado e de 2004 a 2008 curador da Ellipse Foundation.

Entre 2008 e 2010 foi também professor convidado da Escola das Artes da Universidade Católica de Lisboa.

É doutorado em História da Arte pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Comissariou muitas exposições em todo o mundo, das quais se destacam as retrospetivas de Amadeo de Souza-Cardoso (Museu Pushkin, Moscovo), Picabia (CCB, Lisboa), James Coleman (MNAC- MC, Lisboa), Stan Douglas, Interregnum (Museu Coleção Berardo, Lisboa) ou as coletivasMore Works About Buildings and Food (Hangar K7, Oeiras), Disseminações (Culturgest, Lisboa), Cinco Pintores da Modernidade Portuguesa (Fundació Caixa Catalunya, Barcelona; Museu de Arte Moderna, São Paulo).

Em 2001 foi o curador da representação portuguesa à Bienal de Veneza.

Foi co-autor do primeiro catálogo raisonné realizado em Portugal, dedicado à obra de Joaquim Rodrigo e é autor de mais de 30 publicações individuais sobre arte moderna e contemporânea, portuguesa e internacional.

O Grémio Literário atribuiu-lhe o Grande Prémio de 2008 e o Ministro da Cultura de França, Frédéric Mitterrand, concedeu-lhe a distinção de Chevalier de l’Ordre des Arts et des Lettres, em 2010.